Entrevista da semana: Professora Mariléia

Ao longo dos 35 anos que leciona, ao mesmo tempo em que praticou o sagrado ofício do ensino, a professora Mariléia certamente precisou dar broncas em estudantes rebeldes ou tomar as rédeas da situação em ambientes delicados nas escolas em que ocupou a direção. É desse conjunto de situações desafiadoras que emergem os mestres educadores, aqueles que têm garantido um lugar especial na lembrança de alunos, que recordam os ensinamentos, mas também dos conselhos e dos puxões de orelha.

Os seis primeiros meses da vereadora na Câmara Municipal de Pouso Alegre reproduzem os traços inconfundíveis de sua bagagem como educadora. Entre o didatismo e aquela bronca que vem na hora exata, a professora tem sido uma voz que oscila entre a moderação e o puxão de orelha quando necessário. Tem sido assim nas cobranças que faz por melhorias especialmente na educação, ao mesmo tempo em que pede comedimento e paciência na espera por resultados concretos.

Mãe de dois filhos e casada com o engenheiro e ex-vereador Moacir Franco, Mariléia foi eleita com capital político próprio em 2016, no lastro do carisma que conquistou em sua longa carreira como educadora. Nascida em Ibitiúra de Minas, mudou-se para Pouso Alegre com 11 anos de idade. Em mais de três décadas dedicadas ao ensino, lecionou em escolas das redes municipal, estadual e privada. Ocupou a vice-direção e a direção de alguns dos maiores colégios da cidade. Ao Jornal do Estado, a professora concedeu a entrevista que segue:

 

Jornal do Estado: Após seis meses de seu primeiro mandato, como a vereadora descreveria o trabalho da Câmara para um de seus eleitores?

 

Professora Mariléia: Tivemos uma grande mudança de representação partidária na Câmara Municipal de Pouso Alegre, o que automaticamente resulta em novas ideias, e assim, mudanças efetivas de posicionamento que atingem de forma direta a comunidade. Montamos uma Câmara pautada na economia e esta foi uma das principais ações realizadas pela Mesa Diretora da qual faço parte como 1ª Secretária. Analisamos todos os contratos já existentes de forma a certificar que todos eles estavam dentro da legalidade e, em alguns casos, conseguimos rever valores e economizar os gastos dos mais diversos setores. Neste primeiro semestre também tivemos a oportunidade de aprovar projetos importantíssimos para o povo pouso-alegrense. Entre muitos deles está o projeto que criou a lei que concede bolsas de estudos para universitários. Acompanhei esta matéria com muito cuidado, certificando-me, que a proposta fosse de fato cumprida beneficiando estudantes que se destacam pelas notas ou que dependem do auxílio financeiro para manter seus estudos. Hoje, esse projeto é realidade em Pouso Alegre e mudou a vida de muitas famílias.

Sobre a nossa cidade, penso que Pouso Alegre está caminhando rumo a uma mudança que foi proposta pelo prefeito Rafael Simões. Ainda há o que ser feito! Mas, os mais importantes passos já foram dados e logo colheremos os frutos de tudo isso que está sendo plantado desde janeiro de 2017.

O trabalho da Câmara consiste em fiscalizar tudo aquilo que está sendo realizado em nosso município e estudar cada ação estando sempre pronto a sugerir. Também fomos eleitos para pesquisar ações que possam ser adaptadas por meio de lei, garantindo melhoria de vida para nossa gente e desenvolvimento para nossa cidade. Diariamente, recebo várias pessoas em meu gabinete e as demandas são as mais variadas possíveis, assim, aos poucos, e junto com a comunidade encontramos novos caminhos e escrevemos novas páginas.

 

J.E.: Qual avaliação a senhora faz da administração do prefeito Rafael Simões nesses primeiros seis meses?

 

P.M.: Volto a dizer: Pouso Alegre está caminhando rumo a uma mudança que foi proposta pelo prefeito Rafael Simões e que sabemos que ainda há o que ser feito e logo colheremos os frutos de tudo isso que está sendo plantado. Mas seguramente digo que muita coisa já deu certo! A bolsa de estudos para universitários é uma realidade… mas ainda estamos na luta pelo plano de carreira para o magistério; o trabalho e o estudo para o ideal atendimento às pessoas em situação de rua é uma realidade… mas ainda iremos mais longe; Tivemos o avanço do grupo Cimed proporcionando centenas de empregos diretos e assim movimentando nossa economia… e novos empresários começam a sondar nosso município e dentro de pouco tempo prevemos investimentos e geração de empregos e rendas. Pouso Alegre está caminhando para um futuro que acreditamos, e nós, estamos acompanhando e acreditando para que esse desenvolvimento esteja pautado na necessidade da nossa gente.

 

J.E.: Sua trajetória profissional e política se deu na Educação. O que esse segmento pode esperar do seu mandato?

 

P.M.: Tenho meus objetivos primordiais e minhas demandas com a Educação da nossa cidade. Por meio da Comissão permanente de Educação da Câmara, da qual sou presidente, tenho a oportunidade de analisar todas as matérias voltadas para o segmento, estando sempre atenta aos efeitos diretos e indiretos que as ações do Executivo e do Legislativo podem causar para a classe à qual tenho orgulho de pertencer. O plano de carreira para o magistério é uma das minhas principais metas, isso precisa ocorrer nesses próximos anos, porque o profissional merece e precisa ser valorizado, além de poder ter seus direitos protegidos. Também precisamos trabalhar em torno das creches para que até o fim do ano novas vagas sejam criadas e possam atender a demanda da comunidade. Ainda é preciso discutir a segurança em torno das escolas, estudando meios para que isso possa ser viabilizado de forma efetiva.
Mas ressalto que, embora eu tenha um carinho imenso e uma atenção primordial e indispensável pela Educação, não me esqueço de que represento uma cidade que precisa não só de Educação, mas também, de saúde, de lazer, de esporte, de cultura… e eu estou a-tenta!

 

J.E.: Como a senhora tem se organizado na elaboração de projetos?

 

P.M.: Os projetos nascem de acordo com a demanda que conseguimos visualizar por meio de nosso trabalho diário e por meio de estudos e levantamentos que fazemos constantemente, dessa forma, as matérias vão surgindo, sendo aprimoradas e levadas ao plenário. Cada matéria tem a sua importância e o seu público, e todos os projetos são de alguma forma, essenciais para comunidade a qual ele pretende alcançar.

O dia-a-dia no meu gabinete é de grande demanda, mas procuro fazer muitas visitas com o objetivo de acompanhar o que está sendo feito na cidade e dessa forma sigo com minha contribuição para a sociedade pouso-alegrense.

 

J.E.: A senhora tem fiscalizado as ações do poder Executivo?

P.M.: Realizo muitas visitas e atendo muitas pessoas, isso me ajuda a praticar diariamente o exercício da fiscalização. É preciso pensar tecnicamente diante das matérias que chegam ao plenário e observar o efeito real de cada ação. Acompanhar as ações da prefeitura, estudar de fato as matérias propostas e estar atento aos seus reflexos são exercícios constantes de fiscalização.

 

J.E.: Em meio à enorme descrença da população com a política e, em especial, com os políticos, como a senhora acredita que os vereadores podem contribuir para resgatar a credibilidade de nossas instituições e figuras públicas?

 

P.M.: Está na hora do povo sentir o resultado das ações políticas de forma direta, só assim, essa crença voltará a nortear o povo brasileiro. É preciso que o político trabalhe efetivamente para o povo, pensando em políticas públicas capazes de alcançar os mais necessitados. É preciso que o povo perceba que existe fiscalização e que nós parlamentares possamos realmente atender àquilo para qual fomo eleitos. É preciso, a cada dia, fazermos uma autoavaliação daquilo que propusemos e de tudo aquilo que é necessidade primordial para a população. Está na hora do político sentir as necessidades da comunidade a qual representa e lembrar que o papel dele é trabalhar em benefício do cidadão.